13 de abril de 2010

Inventar [Clarice Lispector]

   "Por enquanto estou inventando a tua presença, como um dia também não saberei me arriscar a morrer sozinha, morrer é do maior risco, não saberei passar para a morte e pôr o primeiro pé na primeira ausência de mim - também nessa hora última e tão primeira inventarei a tua presença desconhecida e contigo começarei a morrer até poder aprender sozinha a não existir, e então eu te libertarei. Por enquanto eu te prendo, e tua vida desconhecida e quente está sendo minha única íntima organizãção, eu que sem a tua mão me sentiria agora solta no tamanho que agora descobri. No tamanho da verdade?
    "Mas é que a verdade que nunca me faz sentido. A verdade não me faz sentido! É por isso que eu a temia e a temo. Desamparada, eu te entrego tudo - para que faças disso uma coisa alegre. Por te falar eu te assustarei e te perderei? Mas se eu não falar eu me perder, e por me perder eu te perderia."


Clarice Lispector, Paixão Segundo G.H., pag 13.