27 de outubro de 2010

Uma prece [Clarice Lispector]


Nessa mesma noite gaguejara uma prece para o Deus e para si mesma:
Alivia minha alma, faze com que eu sinta que Tua mão esta dada à minha, 
Faze com que eu sinta que a morte não existe porque na verdade já estamos na eternidade, 
Faze com que eu sinta que amar é não morrer, que a entrega de si mesmo não significa a morte e sim a vida, 
Faze com que eu sinta uma alegria modesta e diária, 
Faze com que eu não Te indague demais, porque a resposta seria tão misteriosa quanto a pergunta, 
Faze com que eu receba o mundo sem medo, pois para esse mundo incompreensível nós fomos criados e nós mesmos também incompreensíveis, então é que há uma conexão entre esse mistério do mundo e o nosso, mas essa conexão não é clara para nós enquanto quisermos entendê-la, 
Abençoa-me para que eu viva com alegria o pão que como, o sono que durmo, 
Faze com que eu tenha caridade e paciência comigo mesma, 
Amém.
Clarice Lispector