13 de julho de 2012

Gosto muito de ti [Caio Fernando de Abreu]

Olha, fique em silêncio. Eu gosto do teu silêncio. Mas também gosto de tuas palavras - acredite.
Mas não vim aqui para te falar de ruídos - ou não - estou aqui para te falar de céu, mar, estrelas e tapioca - como naquele dia, lembra?
Ontem por incrível que pareça todos os lugares que pisei eu te procurei. Teus rastros ficaram por lá. O balançar de teus cabelos e esse teu jeito meio atacado de ser.
Fiquei feliz em poder sentir tua falta - a falta mostra o quão necessitamos de algo/alguém. É assim o nosso ciclo. Eu te preciso. Perto, longe, tanto faz. Preciso saber que tu está bem, se respira, se comeu ou tomou banho - com o calor que está fazendo neste verão, tome pelo menos uns três ao dia, e pense em mim, estou com calor também. Me faz bem pensar nessas atividades corriqueiras, que supostamente você está fazendo.


Ah, e eu estou te esperando, com meu vestido curto, óculos escuros grandes e meu coração pulsando forte, e te abraçar até sentir o mundo girar apenas para nós.
É, eu gosto muito de ti.

Caio Fernando Abreu