9 de agosto de 2012

Andar Andei [Torquato Neto]

não é o meu país
é uma sombra que pende
concreta
do meu nariz
em linha reta

não é minha cidade
é um sistema que invento
me transforma
e que acrescento
à minha idade

nem é o nosso amor
é a memória que suja
a história
que enferruja
o que passou

não é você
nem sou mais eu
adeus meu bem
(adeus adeus)
você mudou
mudei também
adeus amor
adeus e vem

quero dizer
nossa graça
(tenemos)
é porque não esquecemos
queremos cuidar da vida
já que a morte está parida
um dia depois do outro
numa casa enlouquecida

digo de novo
quero dizer
agora é na hora
agora é aqui
e ali e você

digo de novo
quero dizer
a morte não é vingança
beija e balança
e atrás dessa reticência
queremos
quero viver